Como envelhecer

Conforme a vida vai evoluindo, chega um momento em que a gente praticamente encerra nossas atividades “produtivas”.

Passa a não fazer nada; quer dizer nada que seja obrigatório; nada que tenha alguém nos cobrando. Paramos de trabalhar, temos uma renda suficiente para viver, com ou sem luxo, não tem escolha, e a vida passa a ser vivida com um único objetivo: passar o tempo!

Acordar, saber que teremos umas 12 a 16 horas sem absolutamente nenhuma obrigação a cumprir. E, claro, que também não adianta querer estabelecer uma programação tremendamente agitada, já que a “máquina” já não tem aquele rendimento e resistência que tinha anos atrás.

E é certo que algumas atividades básicas devem ser colocadas como prioritárias: alimentação, atividades físicas e dormir bem (sacramentadas nos 3 primeiros princípios do NETAS).

A alimentação na terceira idade tem um diferencial: naturalmente perde-se peso e nessa perda há uma redução da massa muscular. Logo, aquele regime que fazíamos na juventude com o objetivo de não engordar, agora torna-se menos importante.

E ligado a isso, a necessidade de fazer muita atividade física, exatamente para manter a musculatura que, caso contrário, perde sua força e dificulta aqueles movimentos básicos a que estamos acostumados.

Principalmente os que atingem as pernas, nos levando a tropeços, pequenas quedas e até grandes tombos. A corrida deve ser reduzida, mas natação e exercícios típicos de academia, ou seja, com pesos, exigindo força, são benvindos.

Quanto ao sono, o problema está justamente na falta dele. Acordar de madrugada e não conseguir mais dormir torna-se um pesadelo. E ir dormir mais tarde não é a melhor solução, porque o descanso não pode ser diminuído. As 8, ou pelo menos 6 ou 7 horas, continuam a ser importantes para levantar-se com disposição.

E qual a solução?

Uma é sempre ter a mão um bom livro na cabeceira. Acordou às 3 ou 4 horas da madrugada, acenda a luz e leia algumas páginas. Por melhor que seja a estória, o sono vem.

É melhor que ver TV, que dificilmente tem programas interessantes neste horário. A não ser bons filmes, pré-selecionados, coisa que hoje com NOW, Netflix, GloboSat, Disney+, Apple TV e agora o Quibi se tornaram mais fáceis de achar.

Até aí tudo bem, resolvemos nossas noitadas, as refeições e as 1 ou 2 horas (sempre DIÁRIAS!) de atividades físicas. Numa academia ou mesmo num parque.

E claro, recorrer a tudo aquilo que a medicina moderna nos oferece.

Aí entra o seu médico, um geriatra de preferência. Eu tenho a Dra. Adriana. E tomo 10 remédios pela manhã e 3 a noite. Desde aqueles para regularizar a pressão, a diabete, a digestão, o próprio sono (cuidado com esses), até aqueles para manter-se “belo”.

Cremes para a pele, hidratantes, cuidados com o cabelo, se ainda os tiver, o que não é o meu caso, pomadas para acelerar a cura dos machucados, das rugas e manchas, cada vez mais frequentes. E certamente o seu médico vai receitar mais uns 2 ou 3 a cada nova consulta!!! Para o seu bem, é claro.

E o resto do tempo? Terminar aquele capítulo do livro que está lendo iniciado a noite, mas interrompido porque adormecemos (na boa, é uma das possibilidades).

Outra é dar um tempo aos netos. Se os tiver. Mas certamente eles não vão querer ficar o tempo todo à sua disposição. Nem os filhos! A mulher ou o marido, quem sabe!

A verdade é que precisamos SEMPRE ter uma ou mais atividades para fazer. Atividades que apreciamos. Não necessariamente que nos renda algum dinheirinho extra. Não necessariamente que tenha como objetivo servir ou ajudar outras pessoas. É claro que se cumprir essa tarefa, melhor. Mas o principal foco é você mesmo!

E ela tem que gerar um DESAFIO. Tem que ter um começo, meio e fim. E quando chegar ao fim ter um mecanismo que nos permita passar a um novo começo. Que nos dê alegria, satisfação, emoção. Sei que não é fácil, mas vamos lá! E, mesmo porque, como diz o mestre Clovis de Barros Filho, o melhor de tudo é quando você NÃO QUER que chegue ao FIM! Aí é porque tá bão pra caramba! É a tal da almejada Felicidade!

O ideal mesmo é que deixem um legado. Alguma coisa que vá servir, de alguma forma, para os que aqui ficarem. Que te dê satisfação, prazer. E por que não, recompensas e fama!

Um belo exemplo é ESCREVER. Como falo no “DICAS de como chegar lá” para escrever um livro basta começar com um artigo ou um simples texto de uma ou duas páginas.

Como esse texto que estou escrevendo. Abri o Word e comecei. Talvez daqui um tempo vire uma apostila, depois um manual e aí já tem que ser encadernado. E com uma bela capa vira um livro. Dificilmente você vai achar um editor que queira edita-lo.

Se tiver grana, mande numa boa gráfica e peça para imprimir uns 5 mil exemplares. E comece a distribui-los. Do DICAS já cheguei na marca dos 50 mil. E hoje pode ser baixado gratuitamente no site ernestohaberkorn.com.br e SEM SENHA ou DEIXAR SEU E_MAIL. Já é um bom legado.

E hoje, meus amigos, temos a possibilidade de fazer VIDEOS. Coisa mais fácil. Pegue seu celular, ponha uma camisa bonita, arrume o cabelo, um fundo cada vez diferente e mande bala. Tenho certeza que você vai ter um monte de coisas para falar, explicar, recomendar, sugerir, inventar, divertir-nos. Faça o primeiro e você vai ver.

A forma de distribui-lo? Sei que o Whatsapp dos seus 500 amigos não é o mais recomendado, mas se for bom eles vão agradecer. E tem o facebook, instagram, youtube, twitter, o seu site, etc,etc. E torça pelos “likes”!!

Jamais imaginei que iria escrever sobre este tema que aqui está sendo tratado. Falar sobre envelhecer??? Eu não estou velho…idoso ainda vai! Mas meu amigo Anderson e a Elaine, minha mulher, é que sugeriram. E acham que estou velho, sim. O número nem é tão alto assim. É 76, sou de 1943. E depois que começa, novas ideias, temas e assuntos não param de aparecer. E que até levam à realização de outras iniciativas.

Foi assim com o NETAS GAMES. Aliás lá vai um comercial: não deixe de participar do próximo! E também o projeto ERP em Sala de Aula. É imensa a satisfação que se sente ao dar uma aula. Principalmente nas escolas públicas. Fui convidado para ministrar esse projeto no FUNDAP. Dar aula para presidiários. Não vai recuperar todo mundo, mas que seja um, já valeu.

E participar de cursos. Mas com um certo objetivo. Para aprender uma coisa nova que te agrade. Na internet tem um monte gratuitos. E aí, novas ideias!

Enfim, a vida não pode parar. Como eu sempre digo, se eu morrer de tarde, quero ter feito algo surpreendente de manhã. Mas no dia seguinte não vai dar…vai ficar no Virtual, assim espero!

Forte Abraço

Ernesto Haberkorn