ERP: o que é e quais suas vantagens para as empresas?

O que é ERP e quais suas vantagens

Com certeza você já ouviu falar que o setor de TI é uma das áreas que mais crescem no Brasil, responsável pela empregabilidade de muitos profissionais. Só para se ter uma ideia, um estudo encomendado pela Cisco mostrou que a demanda por profissionais de TI na América Latina irá superar a oferta em 449 mil profissionais até 2019. São muitas oportunidades, não é?

E se você já é um profissional qualificado ou mesmo se ainda busca entrar no mercado de TI, certamente precisa conhecer alguns conceitos da área. E um deles, muito importante, é o conceito de ERP.

Acompanhe conosco esse artigo e entenda o que é um ERP, como ele funciona dentro de uma empresa e suas vantagens para o negócio.

O que é ERP?

O que é ERP?

ERP vem da sigla em inglês “Enterprise Resource Planning” ou Planejamento de Recursos Empresariais. O termo por si só não diz muita coisa sobre o que um ERP realmente é, mas de uma forma bem genérica, o ERP tem como objetivo organizar o trabalho numa empresa. Ele permite que uma organização gerencie sua operação integrando e automatizando todos os seus processos produtivos, financeiros e gerenciais.

Como surgiu o ERP?
Como surgiu o ERP?

O conceito de ERP surgiu nos anos 1960. A ideia foi criada por engenheiros e aplicada ao gerenciamento do inventário e ao controle do setor de produção. Nos anos 70, o ERP evoluiu com a introdução do Material Requirements Planning (MRP), ferramenta para controlar o processo de manufatura. Na década de 80, com o crescimento da informática e o advento das redes de computadores ligadas a servidores, o MRP evoluiu para o MRP II e começou a controlar também outras atividades como mão de obra e maquinário.

Hoje, um ERP é uma poderosa ferramenta de controle empresarial. Além das atividades tradicionais, ele pode oferecer também funcionalidades ligadas ao Business Intelligence (BI), automação da força de vendas (Sales Force Automation – SFA), automação de marketing e e-Commerce.

Adotar um ERP não é mais um privilégio exclusivo de grandes empresas. Com a computação em nuvem (cloud computing) e as soluções Software as a Service (SaaS), pequenas e médias organizações também podem escalar o seu crescimento com um sistema mais barato e mais fácil de implementar e gerenciar.

Como um ERP funciona na prática?

Como um ERP funciona na prática?

A ideia central de um ERP é compartilhar dados relacionados às múltiplas funções usadas por diferentes áreas da empresa. Na prática, isso significa que colaboradores em diferentes setores – por exemplo, financeiro e vendas – podem manipular as mesmas informações para diferentes necessidades específicas.

Um ERP registra informações referentes a clientes, fornecedores, funcionários, produtos, vendas, compras, pagamentos e impostos, entre outras. Tudo acontece de forma integrada e com base nas regras de negócios e definições parametrizadas pela empresa.

Um ERP possui muitas funções. Entre elas, podemos destacar:

  • Cadastro de Empresas
  • Criação de Usuários e Perfis
  • Cadastro de Vendedores
  • Cadastro de Clientes
  • Cadastro de Fornecedores
  • Cadastro de Plano de Contas
  • Configuração de NCM
  • Cadastro de Produtos e Serviços
  • Cadastro de Bancos
  • Criação de Orçamentos
  • Faturamento
  • Emissão de Nota Fiscal Eletrônica
  • Fluxo de Caixa
  • Geração de Boletos de Cobrança
  • Baixas de Títulos a Receber
  • Consulta ao Extrato Bancário
  • Lançamentos de Empréstimos
  • Lançamentos de Investimentos
  • Reconciliação Bancária
  • Consulta ao Balanço e DRE
  • Controle de Estoque
  • Controle de Produção

Quais os benefícios do ERP?

Quais os benefícios do ERP?

Em sua essência, o ERP ajuda os colaboradores da empresa a executarem seus trabalhos de forma mais eficiente, quebrando barreiras entre departamentos e filiais. Mas há ainda muitos outros benefícios em investir em um ERP. Confira:

  • Redução de custos;
  • Agilidade empresarial;
  • Extinção do uso de interfaces manuais;
  • Otimização do fluxo da informação e eficiência dentro da organização;
  • Otimização do processo de tomada de decisão;
  • Extinção da redundância de atividades;
  • Redução dos limites de tempo de resposta ao mercado;
  • Incorporação de melhores práticas aos processos internos da empresa;
  • Redução do tempo dos processos gerenciais;
  • Redução de estoque;
  • Redução da carga de trabalho, já que atividades repetitivas podem e devem ser automatizadas;
  • Melhoria do controle das operações da empresa.

Como saber se uma empresa precisa mesmo de um ERP?

Cada negócio é um negócio. Cada empresa tem suas próprias particularidades e desafios. No entanto, algumas dores são compartilhadas por todas e muito provavelmente elas podem ser solucionadas com um ERP. Veja abaixo alguns indícios de que um sistema de gestão empresarial pode fazer toda a diferença para a organização:

Há um software diferente para cada processo

Há um software diferente para cada processo

O financeiro usa um sistema para registrar as contas a pagar e a receber e a equipe comercial usa outro diferente para registrar as vendas? Todo esse processo é manual, repetitivo e lento? O pessoal da logística usa uma solução completamente distinta para manusear e despachar os produtos vendidos?

Quando vários sistemas trabalham separadamente, toda a produtividade fica em jogo. Sem contar que as informações podem ser desencontradas, o que coloca em risco todo o processo.

Com um ERP, tudo isso pode ser integrado, rodando num único banco de dados.

Não há acesso às informações da empresa

Não há acesso às informações da empresa

Se preciso, é possível saber qual o produto mais vendido pela empresa? Quem é o melhor cliente? Qual época do ano mais se vende determinado produto e qual a margem de lucro dele?

Hoje, o ritmo dos negócios é frenético e isso implica numa necessidade de maior velocidade na apuração das informações. Com um ERP, a diretoria da empresa pode ter uma visão holística do negócio, enquanto os demais colaboradores se dedicam efetivamente às suas atividades.

Os resultados financeiros são lentos e imprecisos

Os resultados financeiros são lentos e imprecisos

Se os colaboradores do setor financeiro dependem sempre de muitos papeis e estão sobrecarregados de tarefas manuais, imagine quanto tempo se perde e quanto risco se corre na operação.

A adoção de um ERP tem um grande impacto nesse sentido. Com ele, a equipe de finanças pode ser mais produtiva e assertiva. Ela deixa de gastar tanto tempo cruzando informações, redigitando números e reconciliando dados manualmente.

A experiência do cliente precisa ser melhorada

A experiência do cliente precisa ser melhorada

Quando uma empresa cresce, o gerenciamento de estoques passa a ser um grande desafio para o negócio. Saber que o produto certo está no local e na hora certa é um controle vital para o sucesso na operação.

Com um ERP, todas as equipes envolvidas têm acesso às mesmas informações atualizadas e fica mais fácil responder as questões sobre o status de pagamento, envio, serviços contratados etc. Ainda melhor, o próprio cliente pode ter acesso online a todas essas informações.

A TI é muito lenta e complexa

A TI é muito lenta e complexa

Imagine inúmeros sistemas para instalar e prestar manutenção. As tarefas do departamento de TI viram um pesadelo. Tornam-se complexas, lentas e dispendiosas.

O ERP soluciona esse problema. A área de TI pode se focar num único sistema, gerando mais produtividade e competitividade para toda a empresa.

Como vimos, quando a empresa coloca todos esses benefícios na ponta do lápis, fica claro o valor do ERP para o negócio. E você? Já trabalha com ERPs? Quais as suas experiências com a ferramenta? Conte para a gente nos comentários!

2

versao-4